GLIOXISSOMOS E O CICLO DO GLIOXILATO

18 Oct 2015

Você já pensou como as sementes se desenvolvem, estando com ausência de folhas e incapacidade de efetuar fotossíntese?

 

Algumas espécies pela ação de orgânulos denominados Glioxissomos.

 

Os Glioxissomos são estruturas encontradas no citoplasma de células vegetais, entretanto, somente em plantas produtoras de sementes oleaginosas. Os tecidos que apresentam os orgânulos são armazenadores de gorduras e tal relação confere vantagem aos organismos vegetais. Através da degradação de gorduras, os Glioxissomos fornecem quantidades expressivas de carboidrato (Sacarose) e desta maneira as plantas podem sintetizar novas paredes celulares e originar estruturas mais complexas pela diferenciação tecidual.

 

Com aspecto ovalado, medem em torno de 0,3 a 1,2 µm de diâmetro (DORNELES & VALLE, 2011). Comumente encontramos estes orgânulos próximos as mitocôndrias, onde juntos irão realizar a conversão das gorduras a partir de uma série de reações químicas. O conjunto destas reações constitui o Ciclo do Glioxilato.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   Figura 1 - Exemplo de semente oleaginosa (Chia).                            Figura 2 - Aspecto externo de Glioxissomo e

          Fonte: Barra de Cereal - CLICRBS, 2013.                                                        Mitocôndrias.

                                                                                                                     Fonte - DORNELES & VALLE, 2011.

 

 

Como ocorre este ciclo?

 

Inicialmente duas moléculas de Acetil-CoA são convertidas dentro das inclusões cristalinas do Glioxissomo num composto denominado Succinato (contendo quatro unidades de carbono). O Succinato sai deste orgânulo e é transportado para a mitocôndria, onde originará outro composto dentro do Ciclo de Krebs, chamado Malato.

 

O Malato sai da mitocôndria e no citosol é oxidado a Ácido Oxalacético. Este ácido sofre ação da enzima PEP carboxiquinase e de ATP e então é convertido em CO2 e Fosfoenolpiruvato. Este último composto por sua vez é convertido a Frutose e posteriormente a Sacarose, um carboidrato classificado como dissacarídeo, por conter uma molécula de Glicose e outra de Frutose. Assim, este carboidrato fornecerá energia suficiente para o desenvolvimento embrionário vegetal.

 

                                      Figura 3 - O Ciclo do Glioxilato e as enzimas envolvidas no processo.

                                      Fonte - LEHNINGER; NELSON; COX, 2006.

 

 

  Saiba mais!

                                                                                                                                               

  * Os Glioxissomos são encontrados também em espécies Protistas.

                                                                                                                                                      

  * Não ocorrem em células animais, porém, há orgânulos semelhantes, os Peroxissomos.

                                                                                                                                                           

  * Não há consenso científico quanto à origem destas estruturas.

 

Material didático para pesquisa:

 

Animação.

                                                                                                                                                 

Ciclo do Glioxilato - desenvolvida pelo MEC no espaço Objetos Educacionais. Clique aqui.

 

 Livros.

 

 FERREIRA, A. G.; BORGUETTI, F. Germinação: do básico ao aplicado. Porto Alegre: Artmed, 2004. 323 p.

 TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. Trad. Eliane Romanato Santarém. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2004, 719 p.

 

 

Até breve!

REFERÊNCIAS:

 

CLICRBS. Barra de Cereal - Cinco mitos e cinco verdades sobre alimentação saudável. Disponível em: <http://wp.clicrbs.com.br/barradecereal/tag/alimentacao/> Acesso em: 16 out 2015.

 

DORNELES; A. S.; VALLE, G. Glioxissomo. Disponível em: <http://biologiaucs.blogspot.com.br/2011/07/glioxissomo.html> Acesso em: 11 out 2015.

 

LEHNINGER, A. L.; NELSON, D. L.; COX, M. M. Lehninger princípios de bioquímica. 4.ed. São Paulo: Sarvier, 2006. 1202p.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

DESTAQUE

MOCHILÃO 1: VISITANDO O PARQUE ESTADUAL DA GUARITA (RS)

25 Jun 2015

1/1
Please reload

POSTAGENS RECENTES
Please reload

ARQUIVO
Please reload

TAGS
Please reload